consumo-consciente-por-biayzawa

Consumo consciente: seus olhos enganam

Tenho exercitado o consumo consciente há pouco mais de um ano. Nesse tempo aprendi que o desejo de consumir vem de diferentes formas, desde estar num momento triste, como também de felicidade. Olha a complicação da coisa! Mas de todos os aprendizados, o que mais chamou a atenção foi esse: seus olhos podem te enganar.

consumo-consciente-moda-cinza-2

Tive a epifania num dia que estava me vestindo para ir ao cinema. “Queria porque queria” usar vestido preto, mas estava frio e a meia-calça seria indispensável. Vesti meia-calça preta. E o sapato? Como sou baixinha, bota preta seria ideal para alongar as pernas. Aí me encontrei vestida quase toda de preto – mas ainda faltava a jaqueta.

Podia escolher uma jaqueta colorida, mas não estava no feeling para cor. Queria ficar básica, discreta. E quais opções sobravam? Preta, branca? Se colocasse preta, ficaria com ar gótico – também não era o que queria. Branca? Muito contraste. Eis que, finalmente, me dei conta: “Se eu tivesse uma jaqueta cinza, seria perfeito: nem toda de preto, nem contraste. Discreta na medida”.

Depois desse dia, fiquei de olho em lojas onlines e físicas. Foi fácil achar? Não. É incrível como várias lojas investem em modelos variados de jaquetas em couro, de todas as cores possíveis – exceto a cinza.

Eis que um dia, andando por uma fast fashion, encontrei não só uma, mas três modelos de jaquetas de couro ecológico CINZA. Três! Coisa rara. Não tive dúvidas: peguei as três e fui correndo para o provador. Escolhi o modelo que mais tinha a ver com o meu estilo e me dirigi ao caixa, feliz da vida.

Ao sair da loja, o clima estava frio e estava sem agasalho. Apesar de portar um look complicado de ordenar (calça verde e camisa azul), pude retirar a etiqueta da peça e usar na mesma hora porque, né, cinza combina com TUDO. Naquele momento, minutos após a compra, já tive a certeza de que a jaqueta valeu cada centavo.

consumo-consciente-moda-cinza-3

Meses depois, entro na loja e vejo algumas daquelas jaquetas em promoção. “Como assim metade do preço?”. Claro que inicialmente bateu uma raivinha por ter pagado o preço inteiro – mas depois, pensando no custo-benefício e que pude escolher entre todos os modelos e tamanhos disponíveis, não tinha motivos para ficar irritada.

Mas então outro momento de epifania surgiu: “Por que essas jaquetas ficaram encalhadas?”

A questão é simples: porque cinza não chama atenção. Ao entrar na loja, certamente seus olhos pedem para você ir atrás da blusa pink, da jaqueta vermelha com spikes ou da saia estampada. Em meio a tantas peças coloridas e cheias de apetrechos, o cinza passa despercebido.

E pensando bem, a jaqueta cinza não é a única peça que os olhos ignoram. O mesmo pode acontecer com um sapato nude, camisa branca, blazer preto. Ou será que existe alguma pessoa nesse mundo que, mesmo apaixonada por Moda, começa um guarda-roupa com as peças mais coringas ever? Provavelmente não existe. Por isso mesmo é comum se encontrar na situação de ter muitas roupas, mas quase nenhum item coringa que combine com tudo. Aquela situação que você pára e pensa: “eu não tenho o que vestir”.

Se você também quer entrar nesse exercício de consumo consciente e/ou ter um guarda-roupa funcional, sugiro que passe a prestar atenção nos itens para os quais você é atraída. Passe a anotar tudo que sente falta nos seus looks e perceba se não é hora de passar a consumir com a mente – e não com os olhos.

PS: A jaqueta tão falada nesse post apareceu no Look do dia floral com cinza e alpargatas.

2 Comments

  1. Eu sou uma pessoa que ama cinza! Tem um look que eu adoro usar (embora eu não use muito porque não saio… >.< (pessoas comentam que estou de pijama, maaaas nem ligo *-*).

    1. Oi, Francine! Quando eu era menor não gostava de cinza de jeito nenhum. Mas hoje sei o quanto que essa cor vai com tudo, muito fácil para ordenar e não desbota como a cor preta. E ai, sempre tem alguém para falar que cinza é cor de pijama. Mas paciência. Um dia essas pessoas vão ficar encantadas com o cinza também, haha!

      beijo!

Deixe uma resposta